Imagem: Gilbet Garcin
16 dez 2017

ANGÚSTIA, PASSAGEM AO ATO E ACTING-OUT

Como escutamos a angústia em um tratamento analítico? O que é possível diante desse inomeável? Primeiramente, do que se trata quando falamos em angústia? Angústia de quem? Do paciente? Do analista?

Compartilhe:
Patrícia Bouças 0 Leia mais
13 dez 2017

(id)EOLOGIA É O DESTINO?

  Este texto foi produzido para o debate “(id)EOLOGIA: o inconsciente da política?” realizado pelo NAPSI em São Paulo no dia 8 de dezembro de 2017.

Compartilhe:
Arnaldo Domínguez de Oliveira 0 Leia mais
12 dez 2017

O amor ao ódio

“A natureza humana não é uma máquina para ser construída segundo um modelo, e para se pôr a fazer o trabalho que lhe é estabelecido, mas sim uma árvore que precisa de crescer e de se desenvolver em todos os aspectos, de acordo com tendências das forças internas que fazem dela um ser vivo” – John Stuart Mill, A Liberdade, 1858.

Compartilhe:
Eduardo Amaral Lyra 0 Leia mais
palavra
31 out 2017

PALAVRA NÃO DITA, PALAVRA MAL(-)DITA

Pensei em falar sobre a importância da palavra dita, nas suas possibilidades de ser palavra plena ou palavra vazia, mas não conseguia produzir nada a respeito, porque a palavra não dita era o que insistia em aparecer, e tive que me render a isso. Então comecei a pensar sobre o não dito… o indizível…o mal-dito.

Compartilhe:
Silvia Marina de Melo Paiva 0 Leia mais
Intolerância
25 out 2017

Intolerância

“Não vemos Deus com os mesmos olhos” –Descartes (dialogando com Pascal)[1]

Compartilhe:
Arnaldo Domínguez de Oliveira 0 Leia mais
Seu escuta não há sujeito
24 out 2017

Sem escuta não há sujeito

Apesar de haver um avanço das práticas de políticas públicas, a psicanálise ainda mantém um discurso que não oferece um estatuto de sujeito ao psicótico. 

Compartilhe:
0 Leia mais
nome proprio
12 out 2017

Que nome é esse que te nomeia?

O que é um nome? Para que serve? O que fazemos com ele e o que podemos fazer com ele numa análise? Vamos pensar juntos. Até que ponto o nome que nos deram nos define? Por que e quem escolheu esse nome que hoje me nomeia? No que ele me constitui? Que poder tem a linhagem que define meu sobrenome?

Compartilhe:
Silvia Marina de Melo Paiva 0 Leia mais
13 jun 2017

Afinal, o que há de errado com nossos filhos?

É sabido que as crianças passam por diversas fases de desenvolvimento, que implicam um árduo trabalho físico e psíquico aos nossos filhos.

Compartilhe:
Sandra Rodrigues 0 Leia mais
22 maio 2017

A psicologia na Assistência Social

Ao longo das últimas décadas, a trajetória sócio-histórica da Assistência Social brasileira mostrou um salto quanti e qualitativo enquanto área específica de conhecimentos, técnicas e objetivos próprios.

Compartilhe:
Cezar Siqueira 0 Leia mais
20 maio 2017

Famílias e transtorno mental

O transtorno mental, aquilo que no senso comum chamam de loucura, é uma questão que envolve distintas implicações biológicas, psíquicas e sociais. Em uma sociedade capitalista, a loucura não tem lugar: o sujeito portador de transtorno mental torna-se improdutivo, mais dá trabalho do que trabalha, mais demanda cuidados do que cuida.

Compartilhe:
Cezar Siqueira 0 Leia mais