A neurociência, a cada dia, vai confirmando Freud e oferecendo provas do saber que o pai da psicanálise construiu há mais de 100 anos.

Contudo, a psicanálise é uma ciência da singularidade por excelência e, como tal, nunca se outorgou a função de demonstrar uma replicabilidade de seu saber, uma vez que essa intenção por si só já contraria sua natureza.

Ainda assim, sempre acreditei que, apesar de serem movidas por visões antagônicas sobre o ser humano, e terem premissas diferentes quanto ao que é cura, psicanálise e psicologias cognitivas e comportamentais são complementares e passíveis de útil articulação, jamais na constituição de uma técnica híbrida, mas de uma interdisciplinaridade a partir de seus saberes e métodos investigativos e interventivos.

Como pode a ciência comprovar que é, ela mesma, um delírio?

Ficou evidente, desde os primórdios da psicanálise, que Freud tocou em pontos delicados, como a sexualidade infantil e sua preponderância no psiquismo humano, e alavancou uma resistência que, agora, aos poucos, vai sendo superada. Não é fácil para a ciência, que prega a supremacia da razão, reconhecer justamente o contrário afirmado por Freud: a de que somos governados por nosso inconsciente e somos muito menos racionais do que imaginamos, graças a um recalque necessário à domesticação de nossas pulsões, e que isso traz consequências implacáveis à cultura, da qual a ciência faz parte.

Nesse sentido, a ideia de um saber científico imaculado já estaria, de saída, condenada ao fracasso e isso faria da ciência o maior dos delírios humanos. Como pode a ciência comprovar que é, ela mesma, um delírio?

É notável como os cientistas formulam mal as perguntas quando se trata de combater ou confirmar Freud. Isso não é à toa. A ciência tem seu inconsciente. E acrescento: poucos críticos de Freud o leram direito. Alguns nunca leram.

Vejo com muito otimismo o futuro da psicanálise, que nunca pleiteou lugar no panteão das ciências psicológicas, tampouco se dedicou a atacar os opositores como estes enfaticamente lhe fizeram.

Compartilhe:
Cezar Siqueira

Cezar Siqueira

Psicólogo e Psicanalista, mestrando em Psicanálise pela Universidad John F. Kennedy, da Argentina. É MBA em Gestão Empresarial pela FGV e também graduado em Comunciação Social pela Universidade de São Paulo. Realiza treinamentos e consultorias em instituições públicas e privadas. Atende adultos e adolescentes em Pinheiros, São Paulo.

Artigo anterior

Não há mais artigos.

Próximo artigo

“O” amor e suas invenções ou "A" invenção e seus amores?

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *